Petição pública pela requalificação da EN 103 já foi apresentada na Assembleia da República

Decorreu na passada quinta-feira, dia 4 de julho, a apresentação da petição publica pela requalificação do traçado da EN 103, na Assembleia da República.

A apresentação foi efetuada pelo Eng. Jorge Guimarães Dias, em representação de um grande número de utentes que subscreveram a dita petição, que explicou, à RAA, qual o objetivo da mesma:

[declarações do Eng. Jorge Guimarães Dias à RAA]

Apesar de ainda não poder revelar muito sobre a referida apresentação, uma vez que ainda não é pública a ata da sessão, o Eng. Jorge Guimarães Dias, mostrou-se muito satisfeito com a mesma.

A RAA sabe que a apresentação correu bem, com muita recetividade dos deputados presentes na Comissão Especializada, aguardando-se, agora, os passos seguintes, nomeadamente a recomendação ao Governo para a realização das obras necessárias.

Segundo a petição, a EN 103 é uma via essencial no norte do país, tendo um número elevado de utilizadores diários. O trecho entre Braga, Póvoa de Lanhoso e ligação ao Gerês em Vieira do Minho atingiu já os limites da sua capacidade funcional, registando índices de sinistralidade muito elevados a que correspondem graves custos económicos e sociais.

As causas da saturação de tráfego e dos “alarmantes riscos de segurança rodoviária“ da EN103, sentidos por todas as populações situadas a nascente da capital de distrito, estão relacionados com a dependência das Unidades de Saúde e das Escolas de Ensino Superior, dos mais diversos serviços púbicos e do mercado de trabalho em Braga; a definitiva afirmação da Póvoa de Lanhoso como “Cidade satélite de Braga”; a crescente afirmação do Gerês como destino turístico de elevada procura e de inúmeros outras factualidades que aqui nos dispensamos de referir.

Por estes motivos, “é urgente Requalificação da EN 103 entre Braga e Vieira do Minho/Gerês para um nível de serviço adequado, com perfil de via rápida, dotada de separador central rígido, com variantes aos aglomerados atravessados mais importantes e demais adequadas características técnicas e funcionais“, diz a petição, acrescentando que deve ser incluido o acesso direto às zonas do Hospital de Braga, da Universidade do Minho e do Nó de Infias, nó rodoviário este que permite a conexão com a estação de Caminho de Ferro e as auto-estradas A3 e A11, sem que o labiríntico centro de cidade de Braga seja percurso obrigatório.

[foto: Google Maps]

Related Posts