Greve geral de sexta-feira ameaça fecho de escolas

Esta sexta-feira, 18 de novembro, há nova greve geral dos trabalhadores da administração pública convocada pela Frente Comum. A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) já anunciou que vai também aderir e alertou que a “adesão será suficiente para afetar o normal funcionamento de muitos estabelecimentos”.

Segundo a Multinews, as escolas já começaram a notificar os encarregados de educação para a possibilidade de não ser possível assegurar o normal funcionamento das mesmas.

A Frente Comum afirma que “os trabalhadores da Administração Pública não aceitam empobrecer a trabalhar e exigem soluções para acabar com a desvalorização dos seus salários e carreiras“, acrescentando que “a proposta de OE para 2023 continua sem responder aos problemas, apesar de haver verbas para financiar uma política diferente“.

Para o Sindicato de Todos os Professores, a greve nacional marcada para esta sexta-feira “há uma grande probabilidade de um grande impacto nas escolas. Porque o pessoal não docente está sobrecarregado, as escolas estão no limite – basta que três ou quatro funcionários façam grave para que a escola feche”, disse à ‘Multinews’, André Pestana.

Segundo Mário Nogueira da FENPROF o protesto é contra as recentes propostas do Ministério da Educação: “o projeto de revisão do regime de concursos que é inaceitável, não só pelo seu conteúdo, mas por constituir uma forma encapotada de revisão do ECD em relação aos quadros de pessoal e à vinculação dos professores. Isto não é admissível.

[foto: FB Frente Comum]

Notícias relacionadas